Pesquisar

sábado, 7 de março de 2009

Você conhece a Bíblia? - I Reis


I Reis é o 11º livro da Bíblia, e o 6º Livro Histórico.
I Reis tem 22 capítulos  e 816 versículos. 

O material profético, inclusive aplicação da adoração no Templo que prenuncia o ministério de Cristo, envolve 189 versículos, ou 23% do livro. A maior parte das 44 profecias foi rapidamente cumprida. A continuação da dinastia de Davi foi confirmada a Salomão, mas o juízo viria mais tarde sobre Israel por sua desobediência. 


Na Bíblia Hebraica, os livros de Reis estão integrados no gupo dos Profetas Anteriores. 1 e 2 Rs eram, originalmente, um só livro, que continuava a narrativa de 1 e 2 Sm. Os compositores do AT grego (Septuaginta ou LXX) dividiram a obra em “3 e 4 Reinos” (1 e 2 Sm eram 1 e 2 Reinos). O Título “Reis” se deriva da tradução latina de Jerônimo (Vulgata) e é apropriado por causa da ênfase desses livros nos reis que governaram durante este período.

Autor e Data

Como 1 e 2 Rs eram, originalmente, um livro, esta obra deve ter sido compilada algum tempo depois da tomada de Judá pelos babilônios em 586 aC. 
O livro dá a impressão de ser obra de um só autor e de que este autor tenha testemunhado a queda de Jerusalém. 

Alguns tem indicado Esdras como compilador, enquanto outros apontam para Isaías como editor. Muitos eruditos dizem que o autor de 1 e 2 Rs era um profeta desconhecido ou um judeu cativo da Babilônia ao redor de 550 aC. Pelo fato de Josefo atribuir Reis aos “profetas”, muitos abandonaram a pesquisa por um autor especifico. 

No entanto, a tese mais provável é a de que o profeta Jeremias seja o autor. A antiga tradição judaica do Talmude declara que Jeremias tenha escrito Rs. Esse famoso profeta pregou em Jerusalém antes e depois da sua queda, e 2 Rs 24-25 aparece em Jr 39-42; 52. Jeremias talvez tenha escrito todo o texto, menos o conteúdo do último apêndice (2Rs 25.27-30), que foi provavelmente, acrescentado por um dos seus discípulos.

Acredita-se que a sua forma final estava pronta em algum momento da última parte do séc. VI a.C. O último acontecimento mencionado em 2 Reis é a libertação do Rei Joaquim, de Judá, que estava preso na Babilônia. Considerando que Joaquim foi feito prisioneiro em 597 a.C, os livros de Reis devem ter sido escritos depois de 560 a.C para que esta informação pudesse ser incluída. O autor de Reis teria mencionado, provavelmente, um acontecimento tão importante como a queda da Babilônia para a Pérsia em 538 a.C, caso houvesse tido conhecimento desse evento. Como não há menção dessa importante notícia em Rs, conclui-se, então, que Rs tenha sido escrito, provavelmente antes de 538 a.C, embora os eventos registrados em 1 Rs tenha ocorrido uns trezentos anos mais cedo.

Algo de I Reis

Os acontecimentos descritos em 1 Rs abrangem um período de cerca de 120 anos. Recorda as turbulentas experiências do povo de Deus desde a morte de Davi, em cerca de 971 a.C, até ao reinado de Josafá (o quarto rei do Reino de Judá) e o reinado de Acazias (o nono rei do Reino de Israel), em cerca de 853 a.C.

Os livros de 1 e 2 Rs começam a registrar os eventos históricos do povo de Deus no lugar em que 1 e 2 Sm interrompem. No entanto, Reis é mais do que uma simples compilação de acontecimentos políticos importantes ou socialmente significativos em Israel e Judá. Na realidade, não contém uma narrativa histórica tão detalhada como se poderia esperar (400 anos em 47 capítulos). Ao contrário, 1 e 2 Rs são uma narrativa histórica seletiva, com um propósito teológico.

O autor  seleciona e enfatiza o povo e os eventos que são significativos no plano moral e religioso. Em 1 e 2 Rs, Deus é apresentado como Senhor da história.


O livro começa com a morte de Davi e a ascensão de Salomão como rei em 971 a. C.. Após a morte de Salomão, o Reino se divide em dois. Judá fica com Roboão, e capital em Jerusalém. Israel fica com Jeroboão. Em Judá reinaram 20 reis da dinastia de Davi, de 931 a.C. à 586 a.C.. Israel teve 19 reis em quatro dinastias. 

Um tema profético fundamental de I Reis é descrito em 2.3: "... e para guardares os Seus estatutos, e os seus mandamentos,  e os Seus juízos, e os Seus testemunhos, como está escrito na lei de Moisés; para que prosperes em tudo quanto fizeres...". Infelizmente, o povo escolhido de Deus fracassou terrivelmente em seguir esse conselho e sofreu consequências trágicas.

E no capítulo 8, na dedicação do Templo, vemos a nuvem da Glória de Deus que encheu a Casa do Senhor. E os sacerdotes não poderam permanecer em pé para ministrar, por causa da nuvem, porque a Glória do Senhor encheu a Casa do Senhor.

1 Rs 18.12 contém a única referência direta ao Espírito Santo, onde é chamado de “Espírito do Senhor”. As palavras de Obadias lá indicam que o Espírito Santo algumas vezes transportou Elias de um lugar para outro (ver também 2Rs 2.16). Percebe-se uma relação com At 8.39-40, em que se descreve Felipe como tendo uma experiência similar.


Há uma alusão, em 18.48 (“a mão do SENHOR”), à ação do Espírito em capacitar Elias para operar milagres, A fórmula “mão do SENHOR” é uma referência à inspiração dos profetas pelo Espírito de Deus. Aqui “a mão do SENHOR” se refere ao Espírito de Deus que dotou Elias com poderes sobrenaturais para realizar uma façanha surpreendente.


Também no capítulo 18, temos a luta de Elias conntra os 450 profetas de Baal e os 400 profetas de Ásera. Na verdade, a luta do verdadeiro e vivo Deus contra os falsos deuses. A pergunta de Elias ainda é pertinente: Até quando coxeareis entre dois caminhos? Se Baal é deus segui-o; se o SENHOR é Deus segui-o! (v. 21).

Além dessas passagens, 1Rs 22.24 pode ser outra referência ao Espírito Santo. Esse versículo se refere a um “espírito do SENHOR” e pode indicar que os profetas compreendiam que o seu dom de profecia vinha do Espírito de Deus (ver 1Sm 10.6,10; 19.20,23). Se esta interpretação é aceita, então estaria em paralelo com 1Co 12.7-11, que confirma que a habilidade pra profetizar é realmente uma manifestação do ES.

I. O reino unido 1.1-11.43

O estabelecimento de Salomão como rei 1.1.-2.46
A consagração de Salomão como rei 3.1-8.66
O erro de Salomão como rei 9.1-11.43

II. O reino dividido 12.1-22.53

A revolta e o reinado de Jeroboão em Israel 12.1-14.20
O reinado de Roboão em Judá 14.21-31
O reinado de Abdias em Judá 15.1-8
O reinado de Asa em Judá 15.9-24
O reinado de Nadabe em Israel 15.25-32
O reinado de Baasa em Israel 15.33-16.7
O reinado de Elá em Israel 16.8-14
O reinado de Zinri em Israel 16.15-20
O reinado de Onri em Israel 16.21-28
O reinado de Acabe em Israel 16.29-22.40
O reinado de Josafé em Judá 22.41-50
O reinado de Acazias em Israel 22.51-53

Fontes:
- Bíblia de Estudo Profética;
- Bíblia de Estudo Almeida;
- Bíblia de Estudo Plenitude.