Pesquisar

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Você conhece a Bíblia? - Provérbios



Provérbios, o terceiro Livro Poético, é o primeiro dos três livros de sabedoria do rei Salomão. São 31 capítulos em 915 versículos.


Contém uma fartura de sabedoria prática para o dia-a-dia, mostrando a grande diferença entre os “sábios”, aqueles que decidem seguir a sabedoria de Deus, e os “insensatos”, que fazem o que bem entendem e, portanto escolhem o caminho errado que leva à destruição.

Provérbios é uma coleção de observações poéticas da vida – cada observação é como uma jóia presa a um fio. Juntos, esses fios de observação têm o propósito de ensinar sabedoria, moralidade, sucesso e verdades práticas para aplicação no cotidiano.

Somente sete versículos (menos de 1%) podem ser considerados proféticos, e se referem apenas a sacrifícios que apontam tipologicamente para Jesus.



Autor

Salomão, rei de Israel, era filho de Davi e Bate-Seba. Reinou por quarenta anos, de 970 a 930 a.C., assumindo o trono com cerca de vinte anos de idade.
Influenciado pelo pai, Salomão só perde para Moisés como escritor com mais livros do AT. Provavelmente, escreveu Cantares (Cântico dos Cânticos) quando era um jovem romântico; Provérbios quando estava mais maduro e no auge do seu poder; e Eclesiastes quando estava mais idoso, inclinado a conclusões filosóficas e mais cínico.
Apesar de Salomão ter iniciado a coleção (I Rs 4.32), é possível que outros ditos de sabedoria tenham sido incorporados por ele ou seus sucessores.
A respeito de Agur e Lemuel, nada se sabe, exceto que, pelos seus nomes, não eram israelitas. A sabedoria é universal, não nacional.

Data

O livro é uma compilação, e sua composição estendeu-se por um longo período, com a obra principal datada de cerca de 950 a.C. Os caps. 25 – 29 são identificados como transcritos pelos “homens de Ezequias”, o que situa a cópia em cerca de 720 a.C., embora o material em si fosse de Salomão, talvez retirado de um documento separado encontrado no tempo de Ezequias.

Algo de Provérbios

Um provérbio é uma sentença curta que transmite uma verdade moral de forma concisa e direta, geralmente contendo uma comparação poética ou um contraste de idéias. Na poesia hebraica, as palavras não rimam, mas, sim, as idéias. Essa ligação de idéias é chamada de paralelismo. Os três tipos principais de paralelismo são os seguintes: 1) paralelismo sinonímico, no qual a segunda cláusula repete e amplia a primeira (19.29); 2) paralelismo antitético, no qual uma verdade é afirmada na primeira cláusula e seu oposto aparece na segunda; 3) paralelismo sintético ou progressivo, no qual a segunda cláusula desenvolve e acrescenta um nível mais elevado ao pensamento da primeira. Além disso, você encontrará analogias, metáforas, personificação e outros tipos de linguagem figurada no livro.

O capítulo 7 é uma advertência severa contra as mulheres imorais (estranhas) e suas provocações físicas, ao passo que o capítulo 8 apresenta a sabedoria, personificada como mulher, que apela aos valores morais e espirituais. O capítulo 30 contém as "palavras de Agur" com conjuntos atípicos de quatro aspectos da sabedoria. No capítulo 31, as "palavras do rei Lemuel" descrevem a mulher ideal ou virtuosa.

Seu pensamento ou tema unificador é: “O temor do SENHOR é o princípio [ou parte principal] da ciência” (1.7). Dentre a diversidade de exemplos, algumas verdades se repetem:
1. A sabedoria (a habilidade de julgar e agir conforme as orientações de Deus) é o mais valioso dos bens.
2. A sabedoria está disponível para qualquer um, mas o preço é alto.
3. A sabedoria tem sua origem em Deus, não na própria pessoa, e vem por meio da atenção à instrução.
4. A sabedoria e a justiça andam juntas. É bom ser sábio, e é sábio ser bom.
5. O homem mau sofre as conseqüências de seus atos maus.
6. O ingênuo, o tolo, o preguiçoso, o ignorante, o orgulhoso, o libertino e o pecador nunca devem ser admirados.

Muitos contrastes se repetem ao longo do livro. A antítese ajuda a clarear sentido de muitas palavras-chave. Entre várias idéias que são colocadas em contraste estão:
Sabedoria em oposição a Loucura;
Justiça em oposição a Impiedade;
Bem em oposição ao Mal;
Vida em oposição a Morte;
Prosperidade em oposição a Pobreza;
Honra em oposição a Desonra;
Permanente em oposição a Transitório;
Verdade em oposição a Falsidade;
Ação em oposição a Preguiça;
Amigo em oposição a Inimigo;
Prudência em oposição a Precipitação;
Fidelidade em oposição a Adultério;
Paz em oposição a Violência;
Boa Vontade em oposição a Ira;
Deus em oposição a Homem.

A sabedoria contida no livro de Provérbios é tão significativa hoje quanto era na época em que foi escrito. Não é um planfeto sobre a prosperidade, nem um guia de como ter sucesso no sentido humano. Provérbios mostra como ordenar os valores de alguém, o que conduz ao caráter, que conduz à integridade, que conduz à satisfação. Ele adverte quanto às armadilhas ao longo do caminho e declara a loucura de não desenvolver o temor do Senhor.

Como Provérbios tem 31 capítulos, muitos leitores da Bíblia, desenvolveram a (ótima) idéia de ler um capítulo por dia, durante um mês. Provérbios é relevante para todas as épocas.

O livro efetua um serviço poderoso em aguçar o apetite humano pela sabedoria e conhecimento, uma fome que somente pode ser satisfeita em Cristo. Somente em Jesus Cristo veio o exemplo pleno de tudo o que Provérbios exorta, pois o seu autor, Salomão, não foi perfeitamente sábio, pois desobedeceu tão flagrantemente a Deus.
Ponto por ponto, as qualidades da sabedoria são qualidades de Cristo. Obediência a Deus, boa conduta, paciência, confiabilidade, humildade, diligência, a percepção das coisas como elas são de fato - todas essas características, mais o amor, são perfeitamente ilustradas no Salvador.

A sabedoria sem Deus é impossível.
É o Espírito Santo quem nos ajuda a garimpar as riquezas de Provérbios, mais do que Provérbios nos ajuda a entender o Espírito. É o Espírito Santo que, no Novo Testamento, demonstra como a sabedoria do livro (que vem apenas através da justiça) é colocada em prática.


Provérbios dá evidência clara de sua múltipla autoria. Isto é deduzido ou implícito em outras partes da Bíblia, mas nunca revelado tão claramente quanto o é em Provérbios.
Ele também mostra evidência interna clara de ter sido reunido em cerca de 250 anos, visto que Ezequias (25.1), viveu nesse período de tempo depois de Salomão. Outros livros cobrem longos períodos históricos de tempo (Gênesis por exemplo), mas nenhum deles indica claramente o período de tempo que levou sua compilação.

Fonte:
- Bíblia de Estudo Profética;
- Bíblia de Estudo Plenitude.