Pesquisar

terça-feira, 5 de maio de 2009

Você conhece a Bíblia? - Salmos


Salmos é o 2º Livro Poético, possui 150 capítulos e 2.526 versículos. O título hebraico é Sepher Tehilim (Livro de Louvores). Os títulos gregos, Psalmoi ou Psalterion, denotam um poema que deve ser acompanhado por um instrumento de cordas.

O livro de Salmos era o hinário dos hebreus, contendo cânticos de louvor que podiam ser tanto recitados ou lidos de forma respansiva como também arranjados em melodias simples. O acompanhamento orquestral ou instrumental era comum, com instrumentos de corda, como a harpa ou lira, instrumentos de sopro como a trompa, flauta ou trombeta, e instrumentos de percussão como os címbalos ou tamborins antigos. O salmo 150 apresenta uma lista dos vários instrumentos da época.


O livro de Salmos contém 59 predições específicas em 242 versículos, ou aproximadamente 10% do livro.
Com a destruição do segundo templo em 70 d.C. e a interrupção dos sacrifícios de animais, o cantar de salmos junto com a leitura da Escritura adquiriu uma importância crescente no culto da sinagoga.

Autores

Cerca de metade dos salmos foram escritos por Davi, doze por Asafe, onze pelos filhos de Coré, dois por Salomão, um por Moisés, um por Hemã, e um por Etã. Quarenta e nove salmos são de autores anônimos, chamados pelos estudiosos judeus de salmos órfãos.


Data

Pela variedade de autores, é óbvio que ele cobre várias épocas, desde Moisés até depois do cativeiro babilônico. Mas as coleções menores parecem haver sido reunidas em períodos específicos da história de Israel: o reinado de Davi (I Cr 23.5); o governo de Ezequias (II Cr 29.30); e durante a liderança de Esdras e Neemias (Ne 12.24). Esse processo de compilação ajuda a explicar a duplicação de alguns salmos. Por exemplo, o Salmo 14 é similar ao Salmo 53.

O livro de Salmos foi editado em sua forma atual, embora com diversas variações na época em que a Septuaginta Grega foi traduzida do hebraico, alguns séculos antes de Cristo.
Os textos Ugaríticos, quando contrastados com os recentes escritos do Mar Morto, mostram que as imagens, o estilo e os paralelismos de alguns salmos refletem um vocabulário e estilo cananeus muito antigos. Assim, o Livro de Salmos reflete o culto, a vida devocional e o sentimento religioso de cerca de mil anos de história de Israel.

Algo de Salmos

Os salmos contêm elementos de adoração, louvor, história, oração, doutrina, ação de graças, lamentações e orações de livramento - todos escritos com uma ampla gama de emoções humanas e espirituais.

Os salmos individuais geralmente são classificados de acordo com seu conteúdo: os salmos didáticos são aqueles que dão instrução (ex. Sl 119); os salmos messiânicos contêm profecias relacionadas ao Messias; os salmos imprecatórios suplicam a Deus pelo castigo dos ímpios; os salmos penitenciais expressam não só os sentimentos de um coração penitente, mas também clamam pela purificação divina (ver Sl 6, 32, 38, 51, 102, 130, 143).

Os salmos messiânicos e os salmos milenares são de interesse especial. Os principais salmos messiânicos que prevêem a Primeira e a Segunda Vinda de Cristo incluem: 2, 8, 16, 22, 40, 45, 69, 72, 89, 102, 109, 110, 118, 132. Além destes, os salmos 96-99 dizem respeito ao Milênio, referindo-se à entronização do Rei. Outros salmos, tais como 9, 21 e 50, parecem ser messiânicos.

Citado no Novo Testamento mais do que qualquer outro livro do Antigo Testamento, Salmos foi mencionado especificamente por Jesus como obra que continha profecias a serem cumpridas durante o Seu ministério (Lc 24.44-53). Os apóstolos frequentemente usavam referências aos Salmos como texto de ensino da doutrina cristã.

Em sua forma final no cânon das Escrituras, Salmos é subdividido em cinco livros menores. Cada livro é uma compilação de diversas coleções antigas de cânticos e poemas. Uma doxologia apropriada foi colocada pelos editores no final de cada livro.

* O Livro I engloba Sl 1 a Sl 41, e a maioria dos cânticos é atribuída a Davi.
* O Livro II , Sl 42-72, é uma coleção de cânticos por, de, ou para os filhos de Cora, Asafe, Davi e Salomão; nessa coleção, quatro escritos permanecem anônimos.
* O Livro III, Sl 73-89, é marcado por uma grande coleção de cânticos de Asafe. Asafe foi o chefe dos cantores de Davi.
* No Livro IV, Sl 90-106, a maioria dos salmos não tem os autores citados, mas, Moisés, Davi e Salomão colaboraram também.
* No Livro V, Sl 107-150, registram-se vários cânticos de Davi. A série de cânticos chamada da Hallel Egípcio (Sl 113-118) também está no Livro V. Os cânticos finais nesse livro (sl 146-150) são conhecidos como o “Grande Hallel”. Cada cântico começa e termina com a exclamação hebraica de louvor, “Hallelujah!”.


 
Títulos informativos são encontrados no começo de muitos dos salmos. A preposição hebraica em muitos títulos pode ser traduzida de três maneiras: “a”, “para” e “de”. Ou seja, “dedicado a”, “para o uso de” e “pertencente a”. Todos os títulos que descrevem a situação histórica do salmo tratam da vida de Davi. Os Salmos 7, 34, 52, 54, 56, 57, 59 e 142 referem-se aos eventos ocorridos durante o problemático relacionamento de Davi com Saul; os Salmos 3, 18, 51, 60 e 63 cobrem o reinado de Davi sobre Judá e Israel.

Outros títulos precedentes aos salmos referem-se aos instrumentos usados no acompanhamento; à melodia ou música apropriada; que parte do coral deve guiar (soprano, tenor, etc); ou que tipo de salmo é (meditação, oração, etc). Muitos dos significados destas anotações são desconhecidos a nós.

O culto que a Igreja cristã adotou incorpora não apenas as letras e os instrumentos dos salmos, mas envolve também os aplausos (47.1), o levantar de mãos (141.2), o ajoelhar-se (95.6), o ficar em pé (134.1), o gritar (47.1) e o dançar (149.3).

Os Salmos são únicos e imensamente diferentes das obras de compositores seculares. Ambas podem refletir a profundidade da agonia experimentada pelo espírito humano atormentado, com toda a sua comoção, e expressar a alegria extasiante da alma libertada, mas apenas os Salmos chegam a um plano superior através da unção criativa do Espírito Santo.
Relatos específicos mostram que o Espírito Santo opera criando vida (104.30); que acompanha fielmente os crentes (139.7); que guia e instrui (143.10); que sustém o penitente (51.11-12); e que interage com o rebelde (106.33).

Fontes:
- Bíblia de Estudo Profética;
- Bíblia de Estudo Plenitude.