Pesquisar

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Você conhece a Bíblia? - Joel



Joel é o 2º Livro dos Profetas Menores, o 7º Livro Profético e o 29º Livro da Bíblia. Joel contém 3 capítulos e 73 versículos. O nome Joel significa Javé é Deus.

O Livro de Joel contém profecias em cinquenta dos 73 versículos, ou seja, 68% do livro, e envolvem 25 predições específicas.

Autor e Data

Joel significa Javé é Deus, e é um nome muito comum em Israel, e o profeta é especificado como filho de Petuel.


Nada se sabe sobre Joel, sobre as circunstâncias de sua vida. É provável, que tenha vivido em Judá e profetizado na capital do Reino do Sul, Jerusalém.
Também não se pode datar o livro com absoluta certeza, e muitos estudiosos divergem em opiniões sobre a data da escrita de Joel.

Há referências tanto em Amós como em Isaías que também estão em Joel (comparar Am 1.2 com Jl 3.16 e Is 13.6 com Jl 1.1). É possível tanto Joel ter emprestado deles quanto eles de Joel. E essa é a opinião mais aceita: Joel emprestou para Amós e Isaías, fazendo dele um dos mais antigos profetas dos profetas (tanto em geral quanto dos menores).

A adoração a Deus, restaurada pelo sumo sacerdote Joiada durante o reinado de Joás (II Rs 11; II Cr 23.16), é suposta por Joel. Assim, muitos sustentam que Joel profetizou durante os trinta primeiros anos do reinado de Joás (83-796 a.C.), quando Joiada era o conselheiro do rei. Isso colocaria o ministério de Joel por volta de 835 a 805 a.C.

Como mencionei, não há consenso quanto a data de Joel. Alguns estudiosos, entretanto, supõem que Joel tenha vivido em uma época posterior ao cativeiro babilônico.

Algo de Joel

Joel profetizou durante uma grande e horrenda praga de gafanhotos, um juízo de Deus sobre o reino de Judá, seguido por uma severa seca. A praga de locustas (gafanhotos) acerca do que Joel relatou os danos era maior do que qualquer um jamais tinha visto. Toda a safra e as sementes para o plantio da próxima safra foram destruídas. A fome e a seca se apoderaram de toda a terra. O povo e os animais estavam morrendo. A única explicação para ela era o julgamento de Deus.

Quatro ondas dessas criaturas em forma de exército haviam consumido tudo: primeiro a lagarta, depois o gafanhoto, depois a locusta e por fim o pulgão. Cada uma comeu o que a outra deixou, despojando a terra de folhagem.
Os que bebem já não têm mais vinho. Os sacerdotes não têm nada a oferecer em sacrifício a Deus. Os fazendeiros e os viticultores não têm nada para cuidar. Não havia lugar na vida de Judá que não havia sido dramaticamente e tragicamente afetado.

Mesmo horrível como ela foi, essa praga não é nada comparada ao julgamento de Deus que está a caminho. Não só Judá, mas todos os povos do mundo serão chamados diante de Deus. A mensagem profética é: "Se você acha que a praga do gafanhoto é má, espere até que você veja o julgamento final do SENHOR."

Algumas das afirmações proféticas no livro de Joel são típicas em sua natureza, outras pertencem à classe de predição específica já cumprida, mas o futuro "Dia do SENHOR" recebe grande ênfase.
As profecias neste livro podem ser divididas em quatro porções:
1) um tipo profético do Dia do SENHOR (Jl 1.1-20);
2) a profecia direta do próprio Dia do SENHOR (Jl 2.1-32);
3) a profecia do castigo das nações (Jl 3.1-17);
4) a profecia da bênção completa do reino para Israel (Jl 3.18-21).

O tipo profético do Dia do SENHOR em Joel 1.1-20 é uma declaração do juízo de Deus sobre Judá que aconteceu durante a vida do próprio Joel. Então, usando a calamidade dos gafanhotos como uma poderosa ilustração, Joel expande sua mensagem para predizer eventos do fim dos tempos. Este profeta antevê o derramamento do Espírito Santo, aplicado por Pedro ao Pentecostes (At 2), mas que só será perfeitamente cumprido na Segunda Vinda de Cristo. Tanto o castigo das nações quanto a batalha daquele Grande Dia do Deus Todo Poderoso (Armagedom) estão dentro do escopo deste livro (ver Ap 16.14).

A expressão "O Dia do SENHOR", mencionada cerca de vinte vezes no Antigo Testamento por oito profetas, pode em alguns casos se referir a castigos divinos na história de Israel que podem prenunciar o futuro, mas geralmente indica a intervenção direta do SENHOR na terra nos últimos dias, inclusive o Reino Milenar de Cristo. O Livro tem seu clímax numa descrição do reinado messiânico em Jerusalém e das bênçãos que caracterizarão o reino de Cristo.

Joel profetiza a Era da Igreja - um tempo e que todos os povos, em todos os lugares, podem invocar o nome do Senhor, serem salvos dos seus pecados e se tornarem participantes no Reino de Deus. Através da habitação do Espírito Santo, a Igreja se torna o Corpo de Cristo no mundo. Os propósitos redentores de Deus são estendidos e disponíveis a todo crente que está cheio do Espírito.

Este é o tempo em que vivemos hoje. Temos o privilégio de experimentar a nossa própria salvação e de sermos aqueles que irão levar as Boas Novas a todos os que ouvirão.

Jesus é quem promete a vinda do Espírito em resposta à Sua consumada obra de redenção e retorno ao Pai (Jo 14.15-18; 16.5-24). Na vinda do Espírito Santo no Pentecostes, nós temos o retorno espiritual de Cristo pra habitar em Seu povo e conduzir Seu Corpo, a Igreja. Sua volta física literal é predita aqui no Livro de Joel.

O profeta foi obviamente (dããã!) inspirado pelo Espírito a ver a mão de Deus em tudo o que está acontecendo e ser capaz de saltar em direção ao terrível Dia do SENHOR.
Mas é claro que a passagem mais conhecida da referência de Joel ao Espírito Santo é Joel 2.28-32. O profeta vê um tempo no futuro ("depois"), quando o Espírito de Deus for derramado sobre toda a carne. Jovens e velhos, homens como mulheres, irão experimentar esse derramamento.

28 E há de ser que, depois derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões.
29 E também sobre os servos e sobre as servas naqueles dias derramarei o meu Espírito.
30 E mostrarei prodígios no céu, e na terra, sangue e fogo, e colunas de fumaça.
31 O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, antes que venha o grande e terrível dia do SENHOR.
32 E há de ser que todo aquele que invocar o nome do SENHOR será salvo; porque no monte Sião e em Jerusalém haverá livramento, assim como disse o SENHOR, e entre os sobreviventes, aqueles que o SENHOR chamar.
Essa seção das Escrituras ficou oitocentos anos suspensa, sem cumprimento.

O Espírito já tinha vindo sobre os profetas, reis e sacerdotes, mas nunca tinha havido tal derramamento geral do Espírito. Mas, no Dia de Pentecostes, o Espírito veio com tanto poder e força, que Ele chamou a atenção das multidões, que estavam reunidas em Jerusalém para a festa.
Pedro toma dessa seção profética e afirma: "Mas isto é o que foi dito pelo profeta Joel" (Atos 2.16).
Uma nova era nasceu, a Igreja recebe poder e, agora, todo aquele que invocar o nome do SENHOR será salvo. O Espírito está disponível a todos nós.

Mas, apesar dessa seção ser a favorita de nós cristãos pentecostais/renovados/carismáticos, não podemos nos esquecer da seção anterior do capítulo 2 para que aconteça tal derramamento do Espírito em nossas vidas, famílias, lares e igrejas. No capítulo 2 de Joel, versículos de 12 a 17, vemos o elemento para o avivamento: arrependimento. Arrependimento por parte dos ministros da Igreja (os sacerdotes). Arrependimento por parte de toda a congregação: os anciãos, os homens, as mulheres, os jovens, os adolescentes e as crianças.

12 Ainda assim, agora mesmo diz o SENHOR: Convertei-vos a mim de todo o vosso coração; e isso com jejuns, e com choro, e com pranto.
13 E rasgai o vosso coração, e não as vossas vestes, e convertei-vos ao SENHOR vosso Deus; porque ele é misericordioso, e compassivo, e tardio em irar-se, e grande em benignidade, e se arrepende do mal.
14 Quem sabe se não se voltará e se arrependerá, e deixará após si uma bênção, em oferta de alimentos e libação para o SENHOR vosso Deus?
15 Tocai a trombeta em Sião, santificai um jejum, convocai uma assembleia solene.
16 Congregai o povo, santificai a congregação, ajuntai os anciãos, congregai as crianças, e os que mamam; saia o noivo da sua recâmara, e a noiva do seu aposento.
17 Chorem os sacerdotes, ministros do SENHOR, entre o alpendre e o altar, e digam: Poupa a teu povo, ó SENHOR, e não entregues a tua herança ao opróbrio, para que os gentios o dominem; porque diriam entre os povos: Onde está o seu Deus?

O arrependimento deve começar pelos líderes como diz 1.13.
Cingi-vos e lamentai-vos, sacerdotes; gemei, ministros do altar; entrai e passai a noite vestidos de saco, ministros do meu Deus; porque a oferta de alimentos, e a libação, foram cortadas da casa de vosso Deus.

E toda a igreja deve se arrepender coletivamente dos seus pecados (1.14).
Santificai um jejum, convocai uma assembleia solene, congregai os anciãos, e todos os moradores desta terra, na casa do SENHOR vosso Deus, e clamai ao SENHOR.

Fonte:
- Bíblia de Estudo Profética;
- Bíblia de Estudo Plenitude.