Pesquisar

terça-feira, 5 de maio de 2009

Você conhece a Bíblia? - Salmos


Salmos é o segundo dos livros poéticos e 19º das Escrituras. Possui 150 capítulos e 2.526 versículos.
Seu título hebraico é Sepher Tehilim (Livro de Louvores). Os títulos gregos, Psalmoi ou Psalterion, denotam um poema que deve ser acompanhado por um instrumento de cordas.

O livro de Salmos era o hinário dos hebreus, contendo cânticos de louvor que podiam ser tanto recitados ou lidos de forma respansiva como também arranjados em melodias simples. O acompanhamento orquestral ou instrumental era comum, com instrumentos de corda, como a harpa ou lira, instrumentos de sopro como a trompa, flauta ou trombeta, e instrumentos de percussão como os címbalos ou tamborins antigos.

O livro de Salmos contém 59 predições específicas em 242 versículos, ou aproximadamente 10% do livro.
Com a destruição do segundo templo em 70 d.C. e a interrupção dos sacrifícios de animais, o cantar de salmos junto com a leitura da Escritura adquiriu uma importância crescente no culto da sinagoga.

Autor e Data

Os Salmos tem uma variedade de autores: cerca de metade dos salmos foram escritos por Davi, doze por Asafe, onze pelos filhos de Coré, dois por Salomão, um por Moisés, um por Hemã, e um por Etã. Quarenta e nove salmos são de autores anônimos, chamados pelos estudiosos judeus de salmos órfãos.

Pela variedade de autores, é óbvio que ele cobre várias épocas, desde Moisés até depois do cativeiro babilônico. Mas as coleções menores parecem haver sido reunidas em períodos específicos da história de Israel: o reinado de Davi (I Cr 23.5); o governo de Ezequias (II Cr 29.30); e durante a liderança de Esdras e Neemias (Ne 12.24). Esse processo de compilação ajuda a explicar a duplicação de alguns salmos. Por exemplo, o Salmo 14 é similar ao Salmo 53.

O livro de Salmos foi editado em sua forma atual, embora com diversas variações na época em que a Septuaginta Grega foi traduzida do hebraico, alguns séculos antes de Cristo.
Os textos Ugaríticos, quando contrastados com os recentes escritos do Mar Morto, mostram que as imagens, o estilo e os paralelismos de alguns salmos refletem um vocabulário e estilo cananeus muito antigos. Assim, o Livro de Salmos reflete o culto, a vida devocional e o sentimento religioso de cerca de mil anos de história de Israel.

Algo de Salmos

Os salmos contêm elementos de adoração, louvor, história, oração, doutrina, ação de graças, lamentações e orações de livramento - todos escritos com uma ampla gama de emoções humanas e espirituais.

Os salmos individuais geralmente são classificados de acordo com seu conteúdo: os salmos didáticos são aqueles que dão instrução (ex. Sl 119); os salmos messiânicos contêm profecias relacionadas ao Messias; os salmos imprecatórios suplicam a Deus pelo castigo dos ímpios; os salmos penitenciais expressam não só os sentimentos de um coração penitente, mas também clamam pela purificação divina (ver Sl 6, 32, 38, 51, 102, 130, 143).

Os salmos messiânicos e os salmos milenares são de interesse especial. Os principais salmos messiânicos que prevêem a Primeira e a Segunda Vinda de Cristo incluem: 2, 8, 16, 22, 40, 45, 69, 72, 89, 102, 109, 110, 118, 132. Além destes, os salmos 96-99 dizem respeito ao Milênio, referindo-se à entronização do Rei. Outros salmos, tais como 9, 21 e 50, parecem ser messiânicos.

Citado no Novo Testamento mais do que qualquer outro livro do Antigo Testamento, Salmos foi mencionado especificamente por Jesus como obra que continha profecias a serem cumpridas durante o Seu ministério (Lc 24.44-53). Os apóstolos frequentemente usavam referências aos Salmos como texto de ensino da doutrina cristã.

Em sua forma final no cânon das Escrituras, Salmos é subdividido em cinco livros menores. Cada livro é uma compilação de diversas coleções antigas de cânticos e poemas. Uma doxologia apropriada foi colocada pelos editores no final de cada livro.
* O Livro I engloba Sl 1 a Sl 41, e a maioria dos cânticos é atribuída a Davi.
* O Livro II , Sl 42-72, é uma coleção de cânticos por, de, ou para os filhos de Cora, Asafe, Davi e Salomão; nessa coleção, quatro escritos permanecem anônimos.
* O Livro III, Sl 73-89, é marcado por uma grande coleção de cânticos de Asafe. Asafe foi o chefe dos cantores de Davi.
* No Livro IV, Sl 90-106, a maioria dos salmos não tem os autores citados, mas, Moisés, Davi e Salomão colaboraram também.
* No Livro V, Sl 107-150, registram-se vários cânticos de Davi. A série de cânticos chamada da Hallel Egípcio (Sl 113-118) também está no Livro V. Os cânticos finais nesse livro (sl 146-150) são conhecidos como o “Grande Hallel”. Cada cântico começa e termina com a exclamação hebraica de louvor, “Hallelujah!”.


 
Títulos informativos são encontrados no começo de muitos dos salmos. A preposição hebraica em muitos títulos pode ser traduzida de três maneiras: “a”, “para” e “de”. Ou seja, “dedicado a”, “para o uso de” e “pertencente a”. Todos os títulos que descrevem a situação histórica do salmo tratam da vida de Davi. Os Salmos 7, 34, 52, 54, 56, 57, 59 e 142 referem-se aos eventos ocorridos durante o problemático relacionamento de Davi com Saul; os Salmos 3, 18, 51, 60 e 63 cobrem o reinado de Davi sobre Judá e Israel.

Outros títulos precedentes aos salmos referem-se aos instrumentos usados no acompanhamento; à melodia ou música apropriada; que parte do coral deve guiar (soprano, tenor, etc); ou que tipo de salmo é (meditação, oração, etc). Muitos dos significados destas anotações são desconhecidos a nós.

O culto que a Igreja cristã adotou incorpora não apenas as letras e os instrumentos dos salmos, mas envolve também os aplausos (47.1), o levantar de mãos (141.2), o ajoelhar-se (95.6), o ficar em pé (134.1), o gritar (47.1) e o dançar (149.3).

Os Salmos são únicos e imensamente diferentes das obras de compositores seculares. Ambas podem refletir a profundidade da agonia experimentada pelo espírito humano atormentado, com toda a sua comoção, e expressar a alegria extasiante da alma libertada, mas apenas os Salmos chegam a um plano superior através da unção criativa do Espírito Santo.
Relatos específicos mostram que o Espírito Santo opera criando vida (104.30); que acompanha fielmente os crentes (139.7); que guia e instrui (143.10); que sustém o penitente (51.11-12); e que interage com o rebelde (106.33).

Fontes:
- Bíblia de Estudo Profética;
- Bíblia de Estudo Plenitude.

Esse pretenso estudo é apenas um resumo a partir de textos lidos, e, às vezes, algumas considerações minhas. Contudo, apesar de apresentar algumas ideias comuns a muitas correntes, vale lembrar que representa apenas uma pequena parte do grande universo de estudos bíblicos, com suas diversas interpretações do que concebemos como revelação e da diversidade de correntes cristãs.
Ainda reitero que em algum momento esse pequeno texto será revisado, e alterado, a depender do meu tempo e vontade.

Um comentário :

  1. PAZ SEJA CONVOSCO.
    ESTIVE EM VISITA E JA SOU SEGUIDORA DE SEU BLOG.
    É UMA BENÇÃO, GOSTEI MUITO.
    QUE O ESPÍRITO SANTO DE DEUS CONTINUE A ILUMINAR TEUS PENSAMENTOS, PARA QUE HAJA A EDIFICAÇÃO DA IGREJA DE CRISTO.ESTOU ENCANTADA.
    VENHA ME VISITAR, ESTAREI TE AGUARDANDO.
    SERÁ UM PRAZER.
    http://amovoceemcristo.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Regras:
Não ofenda, ameace ou xingue ninguém.
Não inclua links desnecessários no conteúdo do seu comentário.
Por favor, evite CAIXA ALTA ou erros de ortografia.

OBS: Os comentários dos leitores não refletem as opiniões do blog.

Agradeço a todos que comentam! Muito obrigado, o Ministério César Aquino Bezerra é feito com você!

Siga-me no Twitter e
curta nossa página