Pesquisar

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Um Chamado às Igrejas Apostólicas - Enviem!

A palavra grega “Apóstolo” significa “enviado”, definindo indivíduos que eram enviados como representantes, embaixadores do Rei, com autoridade dEle, em nome dEle, para avançarem Seu Reino.

Vivemos em Tempos de Restauração! O Eterno tem restaurado na Sua Igreja verdades que foram esquecidas por séculos. Como “historiador amador do Ministério Apostólico”, envolto em sites e livros de/sobre Apóstolos desde 2009, tenho acompanhado o aumento de pessoas intituladas “apóstolos”, de igrejas aceitando o ministério apostólico (quer tendo seus líderes como apóstolos, quer reconhecendo que outros líderes são apóstolos legítimos) e de pessoas denunciando a Nova Reforma Apostólica como erro demoníaco.

E apesar de poder falar horas sobre esse assunto, não é por isso que escrevo este artigo.



Quando saiu o resultado do Censo IBGE 2010, fiquei extremamente preocupado com alguns dados sobre Religião. Enquanto era motivo alegrar-se com o aumento do número de evangélicos no país (de 15,4% em 2000 para 22,2% em 2010), alguns dados não podiam ser desprezados.

Você sabia que em pleno século XXI, com igrejas em praticamente todos os grandes canais da TV aberta, livros, CDs e DVDs campeões de vendas, cantores e pastores em famosos programas de auditório, ainda existem cidades com menos de 10% de evangélicos? Pior ainda, cidades com menos de 5% de evangélicos, e até mesmo 6 cidades com menos de 1%! E o pior de tudo... que praticamente NINGUÉM se importa em evangelizar essas cidades?!

Segundo os dados reunidos (www.mai.org.br), as cidades com menos de 10% de evangélicos estavam nos estados de Alagoas, Amazonas (1), Bahia, Ceará, Espírito Santo (1), Goiás (6), Maranhão, Mato Grosso (3), Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo (5), Sergipe e Tocantins (4), totalizando 1417 cidades. Esses dados com certeza mudaram em cinco anos, mas ainda assim são estarrecedores.

Aí, eu te pergunto... como é que em tempos de avivamento, com grandes igrejas em todas as capitais, é possível que existam cidades em nossos interiores com praticamente nenhuma obra evangelizadora?

Eu não quero cobrar nada aqui de igrejas históricas e pentecostais, que negam a validade do dom apostólico no século XXI, mas sim das igrejas apostólicas. Como integrante, defensor, divulgador e historiador delas, sinto-me com o direito de cobrar: O QUE TÊM SIDO FEITO pelos milhões em escuridão em nosso próprio país? Defendo missões no exterior. Precisamos cumprir as profecias de que seríamos celeiro de enviados para as nações. Mas não podemos ir para lá de Samaria se não chegamos nem nas cercanias de Jerusalém!

Apóstolos, profetas, evangelistas, pastores, mestres, líderes de células, diáconos, por favor... façam alguma coisa! Invistam em treinamento, capacitação, e enviem seus jovens, casais, idosos para os campos prontos para a ceifa no Brasil também!

Realizem viagens apostólicas não só pras capitais e pra Israel, mas para o interior de seus estados. Enviem líderes preparados para iniciar células nessas cidades. Sustentem-nos se necessário. Mas não deixem o Brasil ser 40% evangélico só nas capitais e grandes cidades. Como é possível milhares de apóstolos no Brasil, e cidades com menos de 5% de nascidos de novo? Mexam-se!

Constrangeu-me, assombrou-me, irritou-me, termos no mesmo estado, Rio Grande do Sul, os dois extremos: a cidade com maior porcentagem de evangélicos e a cidade com menor porcentagem de evangélicos, além do bloco de cidades com a maior porcentagem de umbanda, candomblé, mórmons, ateus e muçulmanas do Brasil! Apóstolos do Sul, façam alguma coisa! Apóstolos do Norte, nossa porcentagem de evangélicos é a mais alta, mas e os interiores, os ribeirinhos, os indígenas? Apóstolos de Minas Gerais, não pensem só na Grande BH. Apóstolos do Nordeste, saiam das regiões metropolitanas e adentrem esses territórios em trevas e mostrem Jesus!

Sim, eu sei, tem muita gente envolvida, trabalhando, servindo ao Senhor nesses campos difíceis. Há líderes apostólicos já pagando o preço e se preocupando com seu estado e não apenas com sua própria cidade. Conheço muitos trabalhos assim... (Eu cobrei o Rio Grande do Sul acima, mas o trabalho da Rede Apostólica Cristã é um exemplo maravilhoso do Apostólico em prática, com envio e implantação de novas igrejas em um ritmo acelerado. Um dos poucos exemplos no Brasil.)

E não me entendam mal: se você é um apóstolo, faça de tudo para alcançar sua cidade. Mas não fique encostado na sua cadeira de apóstolo presidente, sem se preocupar com avanço que não seja de números na sua igreja. Uma das maiores reclamações dos cessacionistas é que nossos apóstolos vivem sentados! E eles tem razão! Apostólico é avanço e não repouso! Levante-se e seja apostólico! Pegue hoje mesmo um mapa de seu estado e veja o que pode fazer pelas outras cidades. Veja os estados limítrofes. Veja o Brasil! Há um grande território para você alcançar; peça ao Senhor da Igreja para ampliar a esfera de sua atuação e avançar o Reino em outros lugares.

Como observador desse Mover Apostólico, verifico que muitos dos apóstolos brasileiros são na verdade pastores locais, e não apóstolos. Não os estou chamando de falsos apóstolos, como aqueles que estão a serviço do inimigo, mas de pessoas que estão no lugar errado e por isso não estão alcançando total êxito. Infelizmente tem gente que ainda acha que ser "pastor" é inferior a ser "apóstolo" e só se satisfaz se tiver um título grande.

Mas, se você tem certeza que é um apóstolo, permita-me exortá-lo a por em exercício seu ofício! Ore ao Senhor da Seara, clamando pelas cidades de seu estado e região. Tenho certeza que Ele dará estratégias, meios, abrirá portas, levantará homens e mulheres para irem, se você, apóstolo, estiver disposto pelo menos a orar, se que não quiser ir lá você mesmo. Chame seus filhos ministeriais, seus líderes, seus pastores, instigue neles o mesmo desejo. Tenho certeza que o Senhor chamará alguns para deixar seus empregos e cargos atuais para ir para as pequenas cidades que ninguém se importa em ir (só algumas históricas e as neopentecostais da TV desesperadas por números).

Eu sei que será difícil, custoso, e possivelmente alguns viverão como nos primeiros dias da evangelização do Brasil, quando pastores e irmãos foram duramente perseguidos em muitos lugares. Mas, esse é o preço a pagar, não é mesmo?!

Por favor, eu termino, na mínima autoridade e respeito que adquiri: queridos apóstolos, não se acomodem, mas avancem o Reino, não por imposição de leis no Parlamento, mas por mostrar que Jesus está vivo, com palavras, sinais e poder!

Por um Brasil transformado... Venha o Teu Reino!