Pesquisar

quinta-feira, 11 de março de 2010

III - Quem escolhe Apóstolos Hoje? - Apóstolos do Século XXI


{última atualização: 27/01/2017}

É o Cabeça da Igreja que levanta apóstolos para Seu Corpo. Porém, muitos dos milhares de apóstolos não foi Deus quem chamou, mas eles chamaram a si próprios.

Não quero entrar na questão de dizer quem é um apóstolo chamado por Cristo e quem é um chamado por si próprio/pelos outros.

Há verdadeiros apóstolos e falsos apóstolos. Eu acredito que entre os milhares de apóstolos que existe por aí existem muitos apóstolos de verdade. Mas muitos não são. Muitos detêm apenas um título, não um chamado.

III - Quem escolhe Apóstolos hoje?


O que é um apóstolo? De acordo com a Coalizão Internacional de Líderes Apostólicos, um apóstolo é um dotado líder cristão, ensinado, comissionado, e enviado por Deus com autoridade para estabelecer o governo fundacional da Igreja dentro de uma designada esfera do ministério ao ouvir o que o Espírito está dizendo às igrejas e pondo as coisas em ordem, de acordo com a extensão do Reino de Deus.

Como mencionamos no artigo anterior, Jesus é quem chama apóstolos. Se alguém se diz um apóstolo, e não foi chamado por Jesus, está em erro. Ele pode ser um pastor, um mestre ou um profeta, mas se não foi chamado para ser apóstolo, está enganando a si mesmo e a Igreja. Não cumprirá o que Deus lhe chamou a fazer.

Jogando por baixo, devem existir uns seis mil apóstolos no Brasil. Muitos ministros tem se sentido inferiores diante da enxurrada de apóstolos pelo Brasil e o mundo. E por isso, muitos tem se tornado apóstolos também, pois ser apenas “pastor” pode ser uma “vergonha” diante de amigos com títulos poderosos.
Porém, se alguém se torna apóstolo sem o ser, está cometendo um pecado. Tanto ele quanto quem o ungiu.

== O recado de Paulo ==

Muitas pessoas se esquecem do que o apóstolo Paulo disse a Timóteo em 1 Tm 5.22. O conselho apostólico livraria Timóteo de entrar em impureza. Muitas pessoas só usam esse versículo para dizer que não se pode impor as mãos em uma pessoa, orando por cura por exemplo, sem ter certeza absoluta de que é isso que Deus quer, para não receber ou transferir pecados. Porém, o real sentido da advertência paulina é negligenciado.
Se tivesse sido entendido pelos líderes evangélicos, duas atitudes seriam tomadas: não ungir ninguém a um ministério que não tenha sido chamado e confirmado por Deus (seja apostólico, profético, pastoral ou diaconal) e não ungir ninguém antes do tempo determinado por Deus.
Timóteo não deveria nem pensar em ungir alguém a um ministério se essa pessoa, por melhor crente que fosse, não tivesse sido chamado ao ministério. Hoje vemos líderes de mercado sendo ungidos pastores apenas para participarem de convenções e votarem em certos candidatos. É errado ungir um empresário como apóstolo? Não se ele foi chamado assim por Deus. Muitos setores da Nova Reforma Apostólica acreditam em apóstolos de mercado. E outra... Há quantas centenas de anos vemos pessoas serem ungidos pastores sem o serem? Só ter Teologia não garante um chamado. Quantos deveriam ser diáconos e não pastores? Quantos deveriam ser evangelistas e não pastores de igrejas? Quantos acharam que não podiam servir a Deus como líderes de mercado e por isso deixaram suas carreiras, em que seriam bem sucedidos e agradariam a Deus, para serem pastores sem sucesso? Quantos deveriam ser pastores e não apóstolos? Quantos deveriam ser apóstolos e não pastores?
Se Deus me escolheu como um mestre, não devo querer/buscar ser reconhecido como pastor ou profeta. Se Deus me chamou apenas como mestre, e não como apóstolo-mestre ou profeta-mestre, não devo nem pensar em permitir ser ungido profeta se Deus não confirmou isso primeiramente a mim e depois ao Corpo.
Paulo diz para Timóteo não se precipitar. Paulo foi chamado como apóstolo em Atos 9, mas só anos depois, quando servia em Antioquia (At 13), é que chegou o tempo de ser reconhecido e comissionado ao ministério apostólico.
Paulo teria sido um bom apóstolo se já tivesse saído de Damasco ungido e consagrado ao apostolado? Não! Ele teve que ser treinado e discipulado, precisou orar, jejuar, ler, aprender, SERVIR a Deus e aos irmãos por alguns anos, primeiro como simples crente, e depois como profeta e/ou mestre, antes de chegar o tempo certo de ser lançado ao ministério às nações como predeterminado por Deus desde a eternidade. Como Rony Chaves lembra, apóstolos não surgem da noite para o dia, são o resultado de um processo de crescimento, amadurecimento e seleção do Senhor [1].
Já fui questionado se um "irmão simplesinho" da igreja poderia se tornar um apóstolo. Creio que esse ponto elucide isso. Ninguém se tornará pastor de uma igreja sem antes passar por uma caminhada. Ao listar as características de bispos e diáconos, Paulo diz que não pode ser um novo convertido. Não pode ser alguém que já não foi experimentado. José e Matias só foram apresentados para a vaga de Judas porque eram capacitados para isso; passaram pelo mesmo que os outros Doze, como parte dos Setenta. Paulo e Barnabé foram chamados depois de anos de serviço por vários lugares. Ninguém "nasce" apóstolo, no sentido de já começar seu ministério assim, mas vai passando pelos caminhos que o Senhor leva. Isso é bem lógico, mas muita gente não entende porque um apóstolo passa anos primeiro em outra função.
E, se você foi chamado por Deus para algum ministério, mas não foi ungido publicamente a esse ministério ainda, não se preocupe. Isso acontecerá no tempo de Deus. Você deve servir ao Senhor e a Igreja mesmo sem ser reconhecido. E quando você tiver sido edificado e preparado para o ministério (seja apostólico, pastoral, ensino ou diaconal), o Espírito dirá, como à Igreja de Antioquia: “Separem-no para a obra que o tenho chamado”.

== Como saber quem é um apóstolo? ==

Rony Chaves, um dos principais nomes da Nova Reforma Apostólica, de importância fundamental para o movimento apostólico na América Latina e Brasil, explica:

Apóstolos não surgem da noite para o dia, são o resultado de um processo de crescimento, amadurecimento e seleção do Senhor. Porém, necessitam-se de algumas coisas para reconhecê-los.
1 – O apóstolo pessoalmente deve conhecer e saber que Deus lhe chamou.
2 – Deve ser reconhecido pela liderança de sua própria congregação.
3 – A Congregação local deve também reconhecê-lo.
4 – Deve ser reconhecido como apóstolo por aqueles que ele estabeleceu e fundamentou na fé.
5 – Deve ter testemunho de seu ministério por outros Apóstolos.

O título "Apóstolo" de nada serve se estes itens forem ignorados. [1]

Como identificamos os apóstolos?
1 – Através de Apóstolos reconhecidos.
Através daqueles que já estão operando como apóstolos reconhecidos. Eles oraram e receberam revelação de quem é apóstolo. Seu testemunho em oração será muito valioso (Lc 6.12).

2 – Através da Profecia.
Faltam apóstolos por causa da ausência de profetas. A palavra profética ativa dons e funções ministeriais. Através de Profetas, Presbitérios Proféticos ou Companhias de Profetas, os Apóstolos são confirmados e reconhecidos (Atos 13.1-5).

3 – Através do Espírito Santo e Sua voz.
Mestres e Profetas com a Palavra e a Unção, estabelecem o ambiente operacional para que o Espírito chame a Seus apóstolos. A voz do Espírito identifica Seus apóstolos.

4 – Através da observação das obras apostólicas.
Se identificamos as obras apostólicas, encontraremos um apóstolo. O fruto de um ministério apostólico são as obras apostólicas. Estas obras sinalizam um apóstolo, embora não use o título para seu ofício. [2]

== Como alguém é reconhecido apóstolo no Brasil? ==

Eu reconheço quatro pontos, como base para meus estudos neste site.

1 – Um apóstolo já reconhecido como tal unge/reconhece/comissiona/ordena outro ministro como um apóstolo.
Como esse apóstolo já reconhecido chegou a essa conclusão? Profecia, revelação, sonhos, indicações, observação do ministério, etc.
Como se dará essa unção? Com imposição de mãos do apóstolo reconhecido, e talvez de outros ministros visitantes e da igreja em questão, e quase certamente com óleo. É comum, como lembrança das práticas de unção no Antigo Testamento, o uso do shofar para derramar o óleo.
Esse apóstolo que realizou essa unção pode ser:
- Um membro da International Coalition of Apostolic Leaders (antigamente, Apostles), organização internacional de apóstolos, liderados por John P. Kelly. Em 2001, Rony Chaves, ungiu os primeiros apóstolos da Nova Reforma Apostólica no Brasil e desde então ele (e outros apóstolos da ICAL) vem ungindo outros. Entretanto, a ICAL mesma não comissiona apóstolos; seus membros é que o fazem individualmente ou com outros.
– Um membro do Conselho Apostólico Brasileiro, composto por quinze apóstolos brasileiros; não é uma organização formal, como a anterior. Vários apóstolos já foram ungidos diretamente por eles (ou através de membros da Coalizão Apostólica Profética Brasileira), não tendo necessariamente a aprovação de todos os demais membros para que isso aconteça.
– Um apóstolo líder de uma rede apostólica, como a Rede Apostólica Servo da Orelha Furada, a Grace International Brasil, a Coalizão das Igrejas Apostólicas, ou a CIEAB. Quase todos os membros do Conselho e Coalizão anterior fazem parte de uma rede apostólica nacional.
– Um apóstolo que não faz parte de nenhuma rede apostólica e que pode mesmo não ter nenhuma cobertura apostólica sobre si.
– Através da Visão Celular no Modelo dos Doze. No M12 (Modelo dos Doze), seguindo o Patriarca Renê Terra Nova, existem milhares de apóstolos; o M12 é quem mais ungi e possui apóstolos, que são legitimados por Renê todos os anos. Existem apóstolos no G12, mas eles não foram ungidos pelo líder da Visão Celular no Governo dos Doze, César Castellanos, mas sim por outros apóstolos, nem sempre ligados a Visão Celular.

2 – Profecias e Revelações.
“A partir de hoje sou apóstolo, pois Deus me revelou assim”, “o Senhor me disse que você é apóstolo”, “Eu te digo, meu servo, que te chamei para apóstolo”, e outras frases assim expressam esse conceito.
Essa forma de unção apostólica pode ou não estar conectada com o primeiro ponto. Diversas pessoas foram ungidas ao apostolado porque alguém de sua igreja, ele próprio ou outro ministro teve um sonho ou uma revelação de que tal pessoa é um apostolo e por isso devia ser assim ungida. Isso pode ter acontecido dias antes da tal unção ou no mesmo culto alguém tem uma revelação e uma pessoa é ungida.

3 – Decisão da igreja ou do ministro.
Já fui contatado por uma pessoa me perguntando como deveriam fazer para ungir o pastor presidente de sua igreja como apóstolo durante as festividades de aniversário da comunidade.
Conectado ou não ao ponto 2, uma equipe de liderança de uma igreja, se reúne e ordena seu líder como apóstolo. É de se esperar que eles tenham a direção do Espírito Santo para fazerem isso, e não buscando glória e reconhecimento humano. E lembrei isso ao perguntador em questão.

4 – Sem cerimônia/culto de unção/ordenação.
Conheço pessoas que são apóstolos sem terem sido ungidos apóstolos.
Como? Eles, certos de que foram chamados assim, e seu rebanho, certos de que Deus chamou seu líder assim, aceitam ser conhecidos e chamados como apóstolos, mesmo sem haver um culto especial para ordenação.

Título Emérito de Apóstolo (2010)
E ainda tem um jeito que é o pior que existe. Esse é tão tosco (pra dizer o mínimo) que eu não quis mencioná-lo com os outros acima. Pelo menos os de cima, tanto verdadeiros quanto falsos, alegam um motivo melhor para seu apostolado.
O Seminário Internacional de Teologia Gospel oferece diversos cursos e títulos de apóstolo. Entre as vastas opções com a tag "apóstolo", todos com 80% de desconto, estão [3]: Curso de Aperfeiçoamento em Apóstolo (R$ 450,00), Curso Livre Confessional de Bacharel Eclesiástico em Apóstolo (R$ 1.950,00), Curso Livre Confessional de Doutor em Apóstolo (R$ 2.000,00), Curso Nacional em Apóstolo (R$ 1.300,00), Curso Internacional em Apóstolo (R$ 1.300,00), Curso Livre Confessional de Mestre em Apóstolo (R$ 1.950,00), Curso Livre Confessional de PhD em Apóstolo (R$ 2.500,00), Curso Livre Confessional de Pós Internacional Cristã em Apóstolo (R$ 1.500,00), Curso Livre Confessional de Graduação Ministerial em Apóstolo (R$ 1.300,00). Pode-se comprar Título Honorífico em Apóstolo ou Título Emérito em Apóstolo, Título Honoris Causa de Doutor em Apóstolo), Título Honoris Causa de Mestre em Apóstolo e Título Honoris Causa de PhD em Apóstolo; qualquer um por R$ 800,00, além do "título internacional" do Conselho Hispano Americano de Pastores e Apóstolos ou do Conselho Internacional de Bispos, Apóstolos e Ministros, ambos pelo mesmo valor.

Em relação ao curso apostólico mais barato, afirma: "O Curso de Aperfeiçoamento em Apostolo do Seminário Gospel é pioneiro na modalidade 100% à distância, você recebe os livros impressos em casa, o Seminário foi o primeiro do Brasil a receber autorização oficial para funcionamento da CGIADB e do Conselho Nacional de Pastor é, a melhor escola teológica da América Latina e aparece no ranking das dez melhores dos EUA. O Curso de Aperfeiçoamento em Apostolo é reconhecido em convenções e igrejas no Brasil, EUA, Japão, Inglaterra e outros 200 países. Este ano o curso foi premiado com a nota máxima pela sua qualidade no ensino eclesiástico." [4]

Eu já encontrei pessoas que se tornaram apóstolos assim, mas passei por cima e não os mencionei nos artigos. Não sou Jesus, Cabeça da Igreja, mas não reconheço "apóstolos" que compraram seu título.

== A Nova Reforma Apostólica ==

A Nova Reforma Apostólica, que tem como pai o Apóstolo Dr. C. Peter Wagner, prega a restauração dos apóstolos e profetas. Isso é chamado de Ministério Quíntuplo: todos os cinco ministérios retratados em Efésios 4.11 ativos na Igreja hoje. Mas, nem todos os apóstolos que existem hoje estão ligadas à International Coalition of Apostolic Leaders, da qual Wagner é Presidente Emérito. Todos acreditam que são apóstolos, e que apóstolos são para os dias de hoje, mas muitos nem estão remotamente ligados a alguém da ICAL ou sequer reconhecem Wagner como uma inspiração.

O alvorecer do ministério apostólico no Brasil, o início oficial da Nova Reforma Apostólica no Brasil, foi em 2001, mesmo ano que Wagner reconhece como início da Segunda Era Apostólica. Em 5 de agosto de 2001, o Apóstolo Rony Chaves consagrou os quatro primeiros apóstolos brasileiros, durante o Seminário da Rede de Intercessão Estratégica patrocinado pela Dra. Neuza Itioka. [Não estou dizendo que foram os primeiros apóstolos do Brasil... Veja no artigo Apóstolos no Brasil 1 a lista de apóstolos mais antigos do país.]
Mas, como já dito antes, a maioria dos apóstolos brasileiros está ligada às Igrejas em Células no Modelo dos Doze (M12).

Mais uma vez repito: acredito na atualidade do ministério apostólico. Se você não quer acreditar, rasgue de sua Bíblia Efésios 4.11-12. Pois se você acredita que a Igreja precisa de pastores, porque também não dos outros ministérios?

Acredito também que muitos que se chamam apóstolos estão enganando e se enganando. O título não faz de ninguém um verdadeiro apóstolo. Talvez não seja preciso ser chamado de apóstolo para ser um.

== É necessário chamar de apóstolos? ==

Muitas pessoas até aceitam como verdade a permanência do apostólico, mas dizem que não é preciso que apóstolos usem o título Apóstolo para funcionarem como um. Gunnar Vingren, Daniel Berg, Harold Williams, Raymond Boatright, Manoel de Mello, foram apóstolos, mesmo sem serem chamados assim. Porém, tais pessoas não dizem o mesmo sobre o título Pastor, Reverendo (que eu particularmente considero sem sentido), Diácono ou mesmo Bispo.

C. Peter Wagner, apóstolo e mestre, diz [5]:
O fato é que o título “Pastor” ou algumas vezes “Reverendo”, implica em certa descrição de cargo reconhecida dentro da congregação e em determinado papel na comunidade fora da congregação (...) Se nos sentimos confortáveis com os títulos de pastor e mestre, por que nos sentiríamos desconfortáveis com o título de apóstolo? (...)
Jesus não se sentia desconfortável. Foi Ele quem introduziu o título “apóstolo” na vida do Novo Testamento (...) Na sociedade dos dias de Jesus, a palavra “apóstolo” tinha implicações militares e políticas, e Jesus adotou o termo para indicar um papel específico na extensão do Reino de Deus. O significado básico da raiz da palavra em grego é alguém enviado com uma missão.
O título “apóstolo” segue ao longo do restante do Novo Testamento. Aparece 74 vezes, enquanto “mestre” aparece 14 vezes, “profeta” 8 vezes, “evangelista” e “pastor” 3 vezes cada.

== Um apóstolo faz outro apóstolo? ==

Para encerrar este artigo, vale lembrar uma coisa: só um apóstolo pode ungir um apóstolo?

Precisamos lembrar de algo bem bíblico: apesar de em Atos 1 uma equipe de apóstolos escolher um apóstolo, em Atos 13 uma equipe de profetas/mestres e uma igreja comissionam dois apóstolos.
Diversos opositores da Reforma Apostólica negam a validade dos reconhecimentos e ordenações de apóstolos no século XXI, por que estes não teriam recebido autoridade dos apóstolos do Novo Testamento, mortos há quase dois milênios.
Porém, essa ideia vem da herança romana, que criou a sucessão apostólica (como meio de defesa contra as constantes heresias dos primeiros séculos), que defende que os bispos e padres são os sucessores dos apóstolos e pela qual qualquer sacerdote dessa igreja consegue retroceder sua ordenação até os apóstolos (Paulo ordenou Fulano, que ordenou Sicrano, que ordenou Cardeal Beltrano, que ordenou Bispo Tal, que ordenou o sacerdote). Isso é algo sem qualquer respaldo bíblico. Não entendo porque protestantes usam esse argumento, já que é normalmente usado por católicos conservadores para rejeitar o ministério de líderes protestantes.
Tais opositores da restauração dos ministérios zombam perguntando: “Quem ungiu o primeiro apóstolo atual?” Como não posso saber tudo, minha resposta é: “O que importa?” Se foi Deus quem chamou alguém como apóstolo, e ordenou esse reconhecimento, que importa a forma como isso aconteceu?
No exemplo da igreja de Irving, em Antecedentes Apostólicos, um profeta chamou o primeiro apóstolo, J. B. Cardale. Se foi dessa forma que alguns dos primeiros apóstolos da Nova Reforma Apostólica foram chamados, o que há de errado nisso, se o próprio Paulo foi comissionado assim?


Que Deus nos dê verdadeiros apóstolos!

Referências
[1] - CHAVES, Rony. Apuntes sobre el Ministerio Apostólico. S/d. p. 83. Tradução minha.
[2] - CHAVES. p. 86.
[3] - Seminário Gospel. "Apóstolo". Visita realizada em 26 de janeiro de 2017, às 01:30.
[4] - Curso de Aperfeiçoamento em Apostolo. Seminário Gospel. Visita realizada em 26 de janeiro de 2017, às 02:16.
[5] - WAGNER, C. Peter. Assim na Terra como no Céu. Belo Horizonte: Sete Montes, 2013. p. 34-35.

Aproveite para ver fotos de unções de apóstolos em Fotos Apostólicas 1, Fotos Apostólicas 2, Fotos Apostólicas 3, Fotos Apostólicas 4, Fotos Apostólicas 5 e Fotos Apostólicas 6.

<< II - A Chamada Apostólica
>> IV - A Nova Reforma Apostólica